Home.
   
Leia os testemunhos.
Busca por palavra.
Busca por gênero.
Melhores testemunhos.
Mais lidos.
   
Envie seu testemunho.
   
Quem somos.
Fale conosco.
Indique este site.
Receber novos testemunhos no seu email .
   
Livros.
   
Bíblia on line.
Chat.
Cartão Postal.
 

Mande um email para o autor deste testemunho - elogie, apóie, conforte ou saiba maisjoão batista
Esperei 11 anos! Em 1992 fiquei desempregado. Sou contador experiente tanto na contabilidade brasileira quanto na americana. Não me lembro da conta de quantos currículos cheguei a mandar e a refazer. A porta estava definitivamente fechada. Foi um massacre. Enquanto esperava, tentava a vida de todas as maneiras decentes. Casado; família de quatro pessoas. Chegou um tempo, que a única porta aberta era a roça. E lá fui eu plantar tomates e depois mandiocas. Na vida espiritual, entre 1994 e 2000 dirigia uma congregação da Assembléia de Deus em São Paulo. Em 2001, estando em casa, achei um envelope no portão de casa. Era a carta de presidiário pedindo oração, folhetos e bíblias. Essa carta teve origem seis anos antes quando andei distribuindo Evangelhos de João em três delegacias. Quando entendi que aquilo era coisa de seis anos, o Espírito Santo lembrou me esta palavra: "Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás". Aí, o meu coração apertou e eu tive uma nova visão de Deus para por mãos à obra. Entendi que deveria enviar literatura para grupos de crentes dentro dos presídios. O começo foi complicado com muita gente me amedrontando. "Olha o PCC! Cuidado para não colocarem armas na caixa de bíblias! Já pensou então se puserem cocaína? você pode ser preso... Por ser a vontade de Deus, prosperou a coisa. Durante dois anos e meio, andeirecolhendo bíblias e lições bíblicas usadas nas igrejas (e comprava também); mandava pelo correio para os presídios. Deles, Recebi muitas cartas, umas 400. Escrevi o dobro disso fazendo aconselhamento. Conheci irmãos em 47, dos 120 presídios paulistas. Ajudei (e ainda ajudo) com literatura uns 30 deles, diretamente. Há uma falta crônica de literatura em presídios. Voltando ao assunto aconselhamento, um detalhe: tinha gente que implorava por uma linha com um versículo bíblico. Mas , o fato que mais me marcou, no começo, foi este: o primeiro preso que me escreveu - a tal carta no portão ganhou sua primeira bíblia ( na Casa de Custódia de Taubaté) de uma prostituta de Cadeia. Tendo já ouvido o Espírito Santo me falar através do versículo do pão sobre as águas, completou sua vontade com o assunto da bíblia da prostituta. Se ela podia dar uma bíblia, eu também não poderia cruzar os braços. Os colegas de ministério zombavam, mas a coisa era de Deuse prosperou. Nunca faltou dinheiro para mandar as caixas que pesavam entre 15/20 kilos. E o custo das cartas de aconselhamento era (e ainda é ) de um centavo - a famosa "carta social". Na vida material era uma luta só, e na espiritual eu contra-atacava. Um maravilhoso dia, alguém ligou para minha casa: - João, vai no Hospital do Campo Limpo e leva seu currículo. Eles estão precisando de um contador em caráter de emergência. Fui, então,levar mais um currículo. Depois, fiz mais uma entrevista. Mas, agora foi diferente: a vaga era minha. O Curioso é: ao lado do hospital fica o tal correio onde durante dois anos e meio colocava as cartas de aconse-lhamento de presos. Jesus me surpreendeu. Não preciso pegar ônibus, pois, meu emprego fica a 12 minutos da minha casa. O contrato de emergência terminou e foi renovado. Durante a renovação do contrato teve um concurso para vários encargos. Em pleno 2003 - ano de grande desemprego - com 47 anos de idade, passei no concurso e fui classificado em primeiro lugar para a única vaga de contador do Hospital do Campo Limpo. E tem mais uma coisinha. Nosso carro era um Chevette Hatch velho; no maior bagaço, e por incrível que pareça até isso o ladrão roubou. Dois anos à pé. Aí, o Senhor nos deu um emprego público e as condições para comprar um carro novinho, 0k!. Foram longos 11 anos de muita aflição. Não fiquei desamparado. Não precisei roubar. Foi difícil. Cuidei de um tipo de evangelização antes nunca cogitado. Jesus pisou na cabeça do diabo e deu grande vitória para mim. Equanto trabalhava para o Senhor que Ele preparava a vitória para mim. Neste exato momento Ele também sabe da sua necessidade. Você está fazendo algo para o Senhor? O inimigo está lhe oprimindo? Saiba duas coisas: primeira: Jesus não abandona o crente; segunda: Ele ama, e sempre vai amar você! Então agrade ao Senhor( trabalhe para Ele ) e Ele cumprirá o desejo do seu coração. Termino com Filipenses 3:16, versículo que nos dias finais, já pertinho da bênçao, a luta era insuportável: "...E uma coisa é, que me esquecendo das coisas que para trás ficam, e olhando para as que estão adiante de mim, prosigo para o alvo..." Irmão João B. Cruzué
Clique aqui e mande este Testemunho por email para um amigo Clique aqui e envie este Testemunho  para um amigo
Clique aqui e imprima este Testemunho
 

Segunda - 18/12/2017 - 08:56:18